Universo Piauí Publicidade 1200x90
26/03/2023 às 11h53min - Atualizada em 26/03/2023 às 11h53min

Intercept acusa armação para envolver site em operação do PCC

O portal foi o responsável pelas publicações que revelaram o chamado escândalo da Vaza Jato

Andrew Fishman - Imagem: Rede social

O site The Intercept Brasil veio a público nesta sexta-feira (24) por meio de nota pública assinada pelo seu presidente Andrew Fishman e pelos editores Cecília Olliveira e Flávio VM Costa para negar acusação de que tenha recebido dinheiro do Primeiro Comando da Capital (PCC) conforme reportagem publicada na imprensa, e denunciar o envolvimento do seu nome no novo episódio em que o ex-juiz da Lava Jato e atual senador Sergio Moro (União Brasil) alega ser alvo de criminosos.

Operação Sequaz, da Polícia Federal, deflagrada na última quarta-feira (22) culminou com a prisão de nove pessoas e o anúncio público de que o Moro e outras autoridades estariam sob risco de morte após terem sido “decretados” (sentenciados à morte, no jargão criminoso) pela maior organização criminosa do país, o PCC. A operação foi chancelada pela juíza Gabriela Hardt, que no fim de 2018 substituiu o próprio Moro na Operação Lava Jato, quando o ex-juiz pediu exoneração para assumir em 2019 o Ministério da Justiça e Segurança Pública do governo Bolsonaro.

Ainda na Lava Jato, foi Hardt quem assinou a sentença do presidente Lula (PT) sobre o processo do sítio de Atibaia (SP). Ela chegou a ser acusada de plagiar uma decisão de Moro sobre o suposto apartamento do Guarujá, mas depois explicou que seria comum usar decisões de colegas como base em processos semelhantes. Dessa vez, foi a magistrada quem assinou os mandados de busca e apreensão cumpridos na Operação Sequaz. Ela assumiu o caso, que está na 9ª Vara Criminal de Curitiba, após a magistrada titular sair de férias.

A partir do anúncio de que Moro seria um dos visados pela quadrilha, a extrema direita e outros setores políticos próximos do senador paranaense passaram a fazer uma ilação amalucada de que Lula estaria tramando a morte de Moro, tentando reavivar uma fantasiosa teoria de conexão entre o PT e facções do tráfico de drogas.

O episódio que foi tratado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como uma possível armação do ex-juiz para melhorar sua imagem e desgastar a do governo, ganha um novo capítulo com a citação pública do portal responsável pelas apurações da chamada Vaza Jato, que apurou irregularidades e arbitrariedades da operação Lava Jato,  mesma que projetou Moro para a política.

 

Leia, a seguir, a nota do Intercept Brasil na íntegra

 

Mentiras sobre o PCC e o TIB. Estamos sob ataque.

O jogo é sujo. Não recuaremos. Precisamos de você.

Ontem à noite, nossa equipe foi surpreendida por um e-mail do jornalista Marc Sousa, coordenador de jornalismo da Jovem Pan no Paraná e afiliado do R7. Ele afirmou que estava fazendo uma reportagem sobre supostas doações do PCC ao Intercept, descritas em um ofício da Polícia Federal. O documento faz parte dos autos da investigação sobre os supostos planos da facção paulista contra o ex-juiz Sergio Moro – que seria um dos alvos de um plano do PCC para sequestrar e assassinar autoridades públicas.

O jornalista pediu nosso posicionamento. Respondemos com a verdade: não, o PCC jamais pagou qualquer valor para o Intercept, e qualquer afirmação nesse sentido é mentirosa. O jornalista mandou as perguntas à noite, com menos de 12 horas para resposta. Ainda assim, nossa equipe trabalhou durante a madrugada para procurar os 17 nomes mencionados no relatório que consta no despacho.

Nenhum deles consta na nossa base de apoiadores.

Além disso, curiosamente, não há no relatório da PF menção ao nome da pessoa que teria escrito tal documento. Imediatamente após a referência ao Intercept, há linhas citando "assinaturas de 2 revistas internacionais" e "assinaturas de revistas nacionais" — fatos não citados na nota do jornalista, publicada em um site que faz parte do portal R7.

Mas, como era de se esperar, a nota foi ao ar. E nela sequer havia o posicionamento do Intercept, enviado 40 minutos antes da publicação do texto e dentro do prazo exigido pelo jornalista. O autor afirma que procurou o Intercept e "não teve resposta". É uma mentira intencional ou uma falha grosseira dos padrões jornalísticos, se não ambos. Somente após uma conversa no WhatsApp, na qual exigimos que nossa resposta fosse publicada, o texto foi atualizado com nosso posicionamento horas depois.

É interessante notar que ??a juíza que quebrou o sigilo do relatório seja Gabriela Hardt, sucessora de Moro na Lava Jato que prometeu processar quem divulgasse suas mensagens na época da Vaza Jato. De acordo com a colunista d'O Globo Bela Megale, investigadores da PF “criticaram a medida e afirmam que a juíza expõe a investigação que ainda segue em curso e técnicas da PF em um tema sensível, como o combate às facções criminosas. Em parte da corporação, a ação foi vista como tentativa de ‘blindar’ Moro após as declarações de Lula”.

Também chama atenção que a acusação seja publicada pelo jornalista de um veículo que vem sendo alvo de sucessivas reportagens do Intercept – a mais recente delas, sobre a perda de R$ 838 mil em anúncios após uma campanha de desmonetização por a Jovem Pan "lucrar com discursos golpistas". O Intercept também foi alvo de ataques do R7 e da Record em 2018, após revelar a pressão política para apoiar Bolsonaro nessas redações.

Em nossa história, já tivemos mais de 40 mil apoiadores, que contribuem com um valor médio de R$ 40. É uma comunidade potente e engajada, que acredita no nosso jornalismo. É o maior programa de membros da América Latina, que inspirou vários outros veículos de mídia independente a criarem iniciativas do tipo – um modelo que garante autonomia financeira por não depender de anúncios ou grandes corporações.

Temos duas coisas importantes a dizer. A primeira é que não aceitaremos tentativas maliciosas de manchar não apenas a nossa reputação, mas também a da nossa comunidade. Fazemos um jornalismo sério, baseado em evidências e não daremos nenhum passo atrás.

A segunda é que, infelizmente, não é a primeira vez que somos vítimas de ataques do tipo. Já fomos investigados em CPIs, ameaçados de prisão, gravados clandestinamente e tivemos nosso endereço espalhado nas redes, entre outros absurdos – apenas por fazer nosso trabalho sério, que pisa no calo de muita gente.

Na época da Vaza Jato, ataques orquestrados inventaram várias fake news a nosso respeito. Quem nos acompanha nas redes deve se lembrar do "Pavão Misterioso", um perfil apócrifo que criou inúmeras mentiras contra nosso jornalismo e nossos profissionais, inclusive com tentativas de nos associar ao crime organizado.

A acusação de hoje, aliás, é bastante comum na esfera bolsonarista e lavajatista. Nos dias seguintes à sua morte, tentaram associar Marielle Franco ao traficante Marcinho VP em uma das mentiras mais sórdidas que já circularam na internet. Durante a campanha eleitoral e nas últimas semanas, isso também aconteceu com o presidente Lula, particularmente durante sua visita ao Complexo do Alemão, e com o ministro da Justiça Flávio Dino, em visita ao Complexo da Maré. Até mesmo o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes é acusado de ter ligações com o PCC.

O jogo é sujo, nós sabemos. E achamos importante avisar a vocês também.

Nós repudiamos mais essa tentativa de criminalizar o nosso jornalismo e de associá-lo ao crime organizado.

Não recuaremos.

Abraços,

Andrew Fishman - Presidente e cofundador

Cecília Olliveira - Editora contribuinte e cofundadora

Flávio VM Costa - Editor-chefe



Fonte: Revista Fórum

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://universopiaui.com/.
Fale pelo Whatsapp
Obrigado por acessar nossa página.
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp