Universo Piauí Publicidade 1200x90
20/03/2023 às 13h53min - Atualizada em 20/03/2023 às 13h53min

Cientistas pedem novos ajustes para reduzir emissões de gases de efeito estufa

Relatório do IPCC aponta possibilidade de um futuro habitável para todos com ações urgentes de adaptação

Foto: Unsplash/Nik Shuliahin

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, Ipcc, lançou esta segunda-feira o Relatório de Síntese Mudança Climática 2023. Este ano, a análise feita a cada seis a sete anos destaca ações e soluções para a crise.

Pelo estudo, ainda dá tempo para assegurar um futuro habitável para todos tomando medidas climáticas urgentes. Essas opções devem ser imediatas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e adaptação às mudanças climáticas causadas pelos humanos.

“Bomba-relógio climática”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, descreveu o relatório como um “guia de como desarmar a bomba-relógio climática”, em mensagem de vídeo que acompanhou o lançamento.

Para o chefe das Nações Unidas, a ação climática é necessária em todas as frentes. A proposta de Guterres ao grupo das economias mais desenvolvidas, G20, é que façam um “Pacto de Solidariedade Climática”.

Nesse entendimento, Guterres propõe esforços adicionais dos grandes emissores para cortar emissões. Os países mais ricos mobilizariam recursos financeiros e técnicos para apoiar as economias emergentes em um esforço comum.

A publicação foi apresentada na cidade de Interlaken, Suíça, nesta segunda-feira após sessões em que os cientistas avaliaram que as perdas e danos “estão atingindo os mais vulneráveis e ecossistemas de forma particularmente difícil.”

Energia e terras

O documento confirma que a temperatura global está 1,1º C acima dos níveis pré-industriais, como efeito de mais de um século de queima de combustíveis fósseis, bem como o uso desigual e insustentável de energia e da terra.

A situação gerou “eventos climáticos extremos mais frequentes e intensos, com impactos cada vez mais perigosos na natureza e nas pessoas em todas as regiões do mundo”.

A previsão é que piore a insegurança alimentar e hídrica com as altas temperaturas. O documento destaca que esses riscos, associados a outros eventos adversos, como pandemias ou conflitos, se tornam ainda mais difíceis de administrar.

Num cenário em que as temperaturas sejam mantidas em 1,5º C acima dos níveis pré-industriais, serão necessárias reduções profundas, rápidas e sustentadas das emissões de gases de efeito estufa em todos os setores nesta década.

Desenvolvimento resiliente ao clima

Os cientistas defendem que a queda nas emissões deve ser imediata e com mais cortes quase pela metade até 2030 para que a meta seja possivelmente alcançada.

O Ipcc propõe o “desenvolvimento resiliente ao clima”, envolvendo a integração de medidas de adaptação às mudanças climáticas com ações pare baixar ou evitar emissões de gases de efeito estufa de forma a proporcionar benefícios mais amplos.

Entre os exemplos dessas ações estão o alargamento do acesso à energia limpa, a eletrificação com baixo teor de carbono, a promoção de transporte com zero emissões e baixo teor de carbono e melhoria da qualidade do ar.

Os benefícios econômicos que iriam além de preservar a saúde humana com a melhora na qualidade do ar, seria potencialmente maior do que o custos de redução ou prevenção das emissões.

Agenda de Aceleração

A proposta do chefe da ONU tem como meta “garantir que as temperaturas globais não subam mais de 1,5º C acima dos níveis pré-industriais.”

Guterres anunciou que para impulsionar os esforços pelo pacto aposta em uma Agenda de Aceleração considerando “líderes de países desenvolvidos num compromisso de atingir a neutralidade de emissões o mais próximo possível de 2040 e os países em desenvolvimento o mais próximo possível de 2050”.

Pela proposta, seria eliminado o uso do carvão e neutralizada a produção de eletricidade até 2035 para todos os países desenvolvidos e 2040 para o resto do mundo. A sugestão prevê a interrupção de novas licenças e fundos para indústrias de petróleo e gás e “qualquer expansão do petróleo e reservas de gás”.

Guterres destaca que entre estas medidas devem estar a proteção às comunidades mais vulneráveis, com mais fundos, capacidades de adaptação, perdas, danos e promovendo reformas para garantir o apoio de bancos multilaterais de desenvolvimento.

Comunidades de baixa renda e marginalizadas

O cientista Christopher Trisos, um dos autores do relatório, disse que maiores ganhos no bem-estar podem resultar da “priorização da redução do risco climático para comunidades de baixa renda e marginalizadas, incluindo pessoas que vivem em assentamentos informais.”

O especialista destacou que a ação climática rápida só acontecerá se houver um aumento contínuo do financiamento. Os fundos são atualmente insuficientes, desalinhados e atrasam o progresso.

O documento chama a atenção para o poder dos governos para reduzir as barreiras da redução das emissões de gases de efeito estufa, por meio de fundos públicos e sinais claros aos investidores. A recomendação é que as autoridades “intensifiquem as medidas políticas verificadas e comprovadas”.

O documento destaca mudanças no setor de alimentos, eletricidade, transporte, indústria, edifícios e uso da terra como formas importantes de reduzir as emissões, assim como em estilos de vida de baixo carbono, para a melhor saúde e bem-estar.

Probabilidade de sucesso

Para o presidente do Ipcc, Hoesung Lee, ações pela transformação “têm maior probabilidade de sucesso onde há confiança, onde todos trabalham juntos para priorizar a redução de riscos e onde os benefícios e o ônus são partilhados de forma equitativa”.

Lee destacou que o Relatório Síntese ressalta a urgência de se tomar medidas mais ambiciosas e mostra que “com ação imediata ainda se pode garantir um futuro sustentável habitável para todos.”

Fonte: ONU News


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://universopiaui.com/.
Fale pelo Whatsapp
Obrigado por acessar nossa página.
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp