Universo Piauí Publicidade 1200x90
18/04/2022 às 19h55min - Atualizada em 18/04/2022 às 10h41min

'Apurar o quê? Os caras já morreram tudo, pô', diz Mourão sobre tortura na ditadura militar

Vice-presidente ironiza regime que durou mais de 20 anos e teve estrutura dedicada a tortura e morte

RTV Cris Sekeff - rtvcrissekeff.com.br
O vice-presidente Hamilton Mourão O vice-presidente Hamilton Mourão - Adriano Machado/Reuters

Vice-presidente da República, o general Hamilton Mourão disse nesta segunda-feira (18) não haver o que apurar sobre tortura na ditadura militar (1964-1985) e ironizou: "Já morreram tudo, pô".

Candidato ao Senado pelo Rio Grande do Sul, Mourão tem uma postura de defender e minimizar o regime que torturou e matou no país.

"Apurar o quê? Os caras já morreram tudo, pô", disse, seguido de risos. "Vai trazer os caras do túmulo de volta lá?".

Mourão foi questionado por jornalistas a respeito de áudios inéditos de sessões do STM (Superior Tribunal Militar) apontam denúncias de tortura durante o período da ditadura militar.

O conteúdo das gravações, fruto do trabalho do professor de história do Brasil Carlos Fico, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), foi divulgado pela jornalista Míriam Leitão, do jornal O Globo, e confirmado pela Folha.

"História, isso já passou, né? A mesma coisa que a gente voltar para a ditadura do Getúlio. São assuntos já escritos em livros, debatidos intensamente. Passado, faz parte da história do país", afirmou o vice-presidente. Ele disse, então, que "houve excesso de parte a parte".

No primeiro ano de governo, em entrevista ao jornal francês Le Monde, Mourão chegou a dizer que a ditadura matou "poucas pessoas".

O regime enaltecido por Mourão teve uma estrutura dedicada a tortura, mortes e desaparecimento.

Os números da repressão são pouco precisos, uma vez que a ditadura nunca reconheceu esses episódios. Auditorias da Justiça Militar receberam 6.016 denúncias de tortura. Estimativas feitas depois apontam para 20 mil casos.

Presos relataram terem sido pendurados em paus de arara, submetidos a choques elétricos, estrangulamento, tentativas de afogamento, golpes com palmatória, socos, pontapés e outras agressões. Em alguns casos, a sessão de tortura levava à morte.

Em 2014, a Comissão Nacional da Verdade (CNV) listou 191 mortos e o desaparecimento de 210 pessoas. Outros 33 desaparecidos tiveram seus corpos localizados posteriormente, num total de 434 pessoas.

HISTORIADOR PLANEJA SEGUIR COM ANÁLISE

O professor Carlos Fico relata que a busca pela revelação das gravações se estendeu por anos.

Segundo ele, o advogado Fernando Fernandes pediu ao STM acesso às gravações, mas não conseguiu em um primeiro momento. Depois, acionou o STF (Supremo Tribunal Federal), que determinou a liberação do conteúdo em 2006, mas a decisão não foi cumprida imediatamente pelo STM, diz Fico.

"Em 2011, a ministra Cármen Lúcia tomou a decisão de abrir os áudios, e foi acompanhada pelo plenário", diz Fico, que planeja seguir avaliando o material.

Com os áudios liberados, Fico também passou a analisar o material, que agora veio à tona. "É um trabalho penoso. Demorado", acrescenta.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos do Senado, senador Humberto Costa (PT-PE), disse que o colegiado irá se debruçar sobre o conteúdo dos áudios revelados e não descarta chamar o professor da UFRJ para ser ouvido para aprofundar o debate sobre as torturas realizadas por agentes da ditadura militar.

"Como Comissão de Direitos Humanos, temos a obrigação de investigar qualquer tipo de denúncia de desrespeito aos direitos humanos, particularmente na temática de tortura, em especial no momento que vivemos, em que alguns daqueles que viveram e apoiaram a ditadura partem para uma defesa do que eles chamam de virtudes do regime militar", diz ele.

Para o senador, o apoio e elogio de Bolsonaro e seus seguidores ao período, além de sinalizações autoritárias do presidente, tornam ainda mais urgente a atuação do Congresso.

"É bom lembrar que, há pouco, a ordem do dia das três Forças Militares e do ministro foi no sentido de louvar o golpe militar e os anos de ditadura", diz.

Informações Folha de São Paulo


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://universopiaui.com/.
Fale pelo Whatsapp
Obrigado por acessar nossa página.
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp